sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

são de pedra as tuas vestes

são de pedra as tuas vestes
o teu blusão é de aço
são de bronze as tuas pernas
de ouro os teus cabelos
e da matéria virtual
a tua palavra o teu laço
sobretudo as tuas mãos
suavíssimas são de flores
o palco de teus amores
as linhas do teu pomar

3 comentários:

  1. a beleza do seu poema: pele que reveste o outro da matéria mais fina. Lindo, amigo!

    Abraços

    Jefferson.

    ResponderExcluir